s.f. (...) indicação de que alguém "encontrou finalmente a última peça do quebra-cabeças e agora consegue ver a imagem completa".

(Psiu: Sobre aquela falta de ideias)

17.12.13

Retalhos

Sou do tipo de amante de minúcias. Apaixono-me por detalhes, por pequenos fragmentos de cada pessoa. 

Isso, por uma quantidade considerável de tempo, fodeu com a minha mente – notem a minha falta de polidez! A situação é realmente alarmante. 

Eu não podia, não me permitia gostar de fragmentos. Me soava de uma injustiça tamanha, que só me permitia amar quando alcançasse a completude sentimental. 

Obviamente – a não ser que você seja um controlador psicótico ou tenha um mínimo de respeito próprio – qualquer pessoa que faz promessas sentimentais a si mesmo raramente às respeita, principalmente quando se trata de situações fugazes. 

Certa vez me apaixonei por um olhar, literalmente falando. Do nível de paixão a qual eu carregaria o olhar pra qualquer lugar que eu fosse, pra sempre levar esse olhar comigo. Mergulhar nele, compreendê-lo, admirá-lo. Mas o olhar era pertencente à outrem, e lógicas de pertencimento não me apetecem (principalmente em relações humanas...). Isso me afligia tamanhamente que eu não suportava perceber esse olhar sem lacrimejar, sabendo que aquele olhar nunca me notaria. 

[ Estranhamente ele me notou, tomamos chá e viramos grandes amigos, mas eu já estava apaixonada pelas macias madeixas rosas de uma anônima. E a vida continuou dessa maneira.

Sardas, sinais, sorrisos, ombros... Sempre havia um elemento chave em alguém que me fazia suspirar. E sempre me trazendo à tona a possibilidade de eu nunca amar alguém com alguma completude. Minha maturidade atual interpreta que isso pode ser bom, tendo em vista que essa ideia de completude não é necessária em um relacionamento (feromônio e respeito já dão uma boa conta). 

Passei um tempo apaixonada inclusive por mentiras. Talvez esse foi meu amor mais frequente (contabilizei uns três). Não sei se por me permitir enganar; talvez porque no fundo eu fantasiasse tanto quanto a pessoa. Ainda que os tempos sejam péssimos, o amor é sempre uma cama quentinha pros sonhadores. 

Eu até gosto desse tal amor  f r a g m e n t a d o. É amor, de qualquer maneira. 
À minha maneira.

Nenhum comentário: