s.f. (...) indicação de que alguém "encontrou finalmente a última peça do quebra-cabeças e agora consegue ver a imagem completa".

(Psiu: Sobre aquela falta de ideias)

27.3.13

Invólucro


Sai da marola de escusas. Não que valha algum mérito — entraria mais como uma necessidade pessoal de enfrentar essa panaquice inerente.
 Não sei ao certo se essa saída deve-se mais a desistência (afinal guernicas e discussões infrutíferas me cansam de imediato) ou a progressão de meu estágio. Não sei se deixei de me espelhar no emocional e agora finquei o cerne na razão. Ou pode ser apenas determinismo biológico — a antecessora tensão é um mal que me aflige.

Essa minha dicotomia — a submissão psicológica e a dominação física — aflora em frequentes confusões mentais, proporcionada pelos valores amorfos os quais sou confrontada. Se por um lado essa minha insegurança emocional seja agente e paciente de meus temores mais inconscientes e prolixos, meu anseio curioso de conhecer sempre as partes de uma opinião me permite o desvinculo de amarras.

Fico me perguntando se quero as pessoas por perto ou longe de mim — perdoe o individualismo, a essência de Narciso é puramente biológica. Não que eu as objetifique como meios para meus fins. Essa minha dicotomia é uma análise dos meus comportamentos mais espontâneos, não algo de fácil manejamento. Se tivesse radical manipulador, garantiria uma simplificação quase absurda a esses conflitos. 
...
Queria saber desatar esses nós de signos e de ideias, mas me falta uma sabedoria e uma maturidade. Não sei dizer ainda se sou reflexo ou filtro de tudo o que age sobre mim; mas essa maré vai — precisa — passar.

Nenhum comentário: